• Facebook

Cinco novidades do imposto de renda na declaração de 2018

O prazo do envio do Imposto de Renda 2018 se inicia no dia 02 de março e algumas mudanças foram impostas pela Receita Federal. Apesar de as novas medidas não serem tão significativas, esses cinco novos pontos irão atingir grande parte dos contribuintes. Confira a seguir quais as cinco novidades na declaração do imposto de renda de 2018.

 

 

1. Dependente

 

A Instrução Normativa definiu que filhos de pais separados, mas que possuem a guarda compartilhada deve aparecer na declaração de apenas um deles. Por exemplo, se o filho for considerado como dependente na declaração da mãe, na do pai o filho deverá ser informado com a classificação de “alimentando”.

Vale lembrar, que esse ano os dependentes a partir de 08 anos devem ter CPF. Para resolver só comparecer no correio com RG ou certidão de nascimento + Tx.

 

 

2. Despesas médicas

 

Agora os recibos relacionados a despesas médicas poderão ser aceitos sem o endereço do profissional, consultório, laboratório ou hospital, desde que a Receita Federal tenha maneiras de conseguir tais informações em seus bancos de dados.

 

De certa forma, a mudança sobre o uso de comprovantes em gastos dedutíveis, veio para beneficiar o contribuinte. Até o ano passado essa dedução não era aceita pela RF para fins de abatimento do imposto.

 

 

3. Remessa ao exterior

 

Não haverá mais retenção de imposto para verbas enviadas ao exterior com finalidades educacionais, científicas, culturais e para tratamentos médicos. Ou seja, a remessa passa a ser isenta.

 

 

4. Auxílio-doença

Quando o empregado estiver em licença médica, passa a haver isenção sobre os valores recebidos com título de auxílio-doença quando forem pagos pela Previdência Social. Já o total pago pelas empresas, fica sujeito à tributação normal, a mesma aplicada para os salários.

 

 

5. Imóvel

 

Quando um imóvel é vendido e a pessoa obtém lucro, a diferença entre preço de venda e de compra fica sujeita ao recolhimento de Imposto de Renda de 15% sobre o ganho. Esse pagamento deve ser feito até o último dia útil do mês seguinte ao da venda, porém há casos de isenção, e um deles é quando o contribuinte usa o dinheiro da venda desse imóvel residencial em até 6 meses para a compra de outra moradia.

 

Se o contribuinte não recolher o imposto no mês seguinte e nem comprar outro imóvel em 180 dias, vai ter de fazer esse recolhimento com acréscimos. Essas novas regras vieram definir como será o cálculo: tanto os juros de mora como a multa serão devidos a partir do segundo mês consecutivo ao do recebimento do valor da venda.

 

Outras operações imobiliárias que não exigem imposto são quando o contribuinte vende o seu único imóvel por até R$ 440 mil. No caso de o imóvel ter sido comprado por um casal com separação de bens, a Instrução Normativa explica que a isenção poderá ser dada proporcionalmente, de acordo com o que cada um detém sobre o bem.

 

Caso haja alguma dúvida adicional entre em contato com a Fiscotec pelo telefone (11) 2296-2122 ou email: rogerio@fiscotec.com.br